sábado, 24 de junho de 2017

Mega-feirão movimentou a economia neste sábado

Piratini-24 de junho de 2017

Mais carros, mais qualidade, mais variedade e mais vendas. O Mega Feirão Sicredi de Veículos neste sábado chegou a sua 7ª edição como um evento do gênero e vai deixando para  aquela velha cultura que para comprar um bom veículo era necessário recorrer as garagens da vizinha Pelotas.

“ O Mega—Feirão que é a pareceria do Sicredi com as revendas locais, e eram duas apenas na primeira edição agora já são quatro parceiros que mantém uma média da feira em pouco mais de cem carros à venda,  vem se portando como um comércio local, um  seguimento que foi montado”, opina Breno Estefany, gerente do Sicredi Piratini.

Breno frisa que tínhamos o hábito de sair pra compra fora, agora o feirão trouxe o movimento pra dentro do município e a parceria das revendas, nós(Sicredi) e a comunidade estamos dando credibilidade como um todo abrigando renda para os nossos municípios.

O negócio prospera, pois desta edição participaram Manus Veículos, Bezerra Veículos, LP Veículos e De Leon Veículos, o dobro de revendas  com relação a edição anteriores, e isso aumenta a quantidade e a qualidade ofertada. “Temos relatos de que é mais vantajoso comprar aqui em Piratini do que fora. Aqui você vende e compra seu carro a preço final não tendo que entregar a preço abaixo da tabela” Disse Estefany.


O  Mega-Feirão não é só uma grande oportunidade para cliente Sicredi adquirir seu primeiro ou trocar de carro. O processo para eles é rápido é fácil já que é montado um sistema que permite saber se o limite de crédito acessa o negócio imediato. Para quem não tem conta na instituição três ou quatro dias úteis são necessários para abrir conta, encaminhar a documentação e liberar o dinheiro.

sexta-feira, 23 de junho de 2017

AGRICULTORES ACESSAM PROJETO PARA MICRO-QUEIJARIA


O Programa da Agroindústria Familiar do Estado do Rio Grande do Sul, “Sabor Gaúcho”, criado em meados de 2001, bem como o FEAPER – (Fundo Estadual de Apoio ao Desenvolvimento dos Pequenos Estabelecimentos Rurais), são exemplos de políticas públicas que priorizam e valorizam a Agricultura Familiar, reconhecendo sua importância e a dinâmica de desenvolvimento local.

O casal de agricultores Zirelma e Vanderlei, assentados no PA Santo Antônio, 2º distrito de Piratini-RS, trabalham com a atividade leiteira há pelo menos 15 anos, produzindo queijos artesanalmente e comercializando localmente. Na divisão de tarefas, Vanderlei cuida do rebanho leiteiro e das vendas do queijo, enquanto Zirelma desenvolve as receitas que tem plena aceitação dos consumidores. Segundo Vanderlei, “o queijo que nós produzimos é muito bem aceito porque temos todo o cuidado com a higiene desde a preparação, embalagem e transporte”.

Com o apoio da Ascar/Emater, conveniada da Secretaria do Desenvolvimento Rural, Pesca e Cooperativismo (SDR), o casal de agricultores acessou através do FEAPER, na modalidade Agroindústria, custeio subsidiado para a aquisição de equipamentos visando à ampliação da produção de queijos. Através deste projeto, o casal adquiriu prensa, tanque de pasteurização e fabricação do queijo, refrigerador e balança eletrônica, que foram entregues nesta sexta-feira (23/06).

A assistência técnica contribuiu também para o gerenciamento da atividade leiteira e planejamento alimentar do rebanho. Segundo Luciana Pranke, técnica em agropecuária da Ascar/Emater, “o maior desafio é ter oferta de alimentos aos bovinos em quantidade e qualidade durante o ano todo. E, nesse sentido, a implantação de variedades perenes, é uma alternativa para amenizar o vazio forrageiro, que compreende os períodos de abril-maio e outubro-novembro” que é um dos principais problemas relacionados à nutrição animal do rebanho. Nesta propriedade, foi implantado o BRS Kurumi, que se destaca por apresentar alto potencial de produção de forragem com excelentes características nutricionais.
De acordo com Zirelma, “os cursos oferecidos nos Centros de Formações da Ascar/Emater, foram fundamentais para a tomada de decisão de organizar a agroindústria e, o crédito FEAPER vem de encontro à realização de um sonho”.

Ainda existem limitações, tais como: revitalização do SIM (Sistema de Inspeção Municipal) que já está em tratativas com a Prefeitura Municipal de Piratini.


Já Anderson Fontoura, Extensionista da Ascar/Emater, destaca que “as ações da Extensão Rural no sentido de capacitação e o acesso às Políticas Públicas voltadas à Agricultura Familiar, possibilitam aos agricultores familiares organizarem suas atividades e consequentemente, agregar valor à produção primária, melhorando a renda e as condições gerais de vida de suas famílias, permitindo um processo de desenvolvimento socioeconômico”.

quarta-feira, 21 de junho de 2017

Piquetes querem a realização da Semana Farroupilha

Piratini-21 de junho de 2017

Na terra farrapa e que se orgulha de organizar um dos maiores eventos do estado, ter a coragem diante da situação financeira do município de anunciar que não realizaria a Semana Farroupilha de Piratini, rendeu um significativo apoio ao prefeito Vitor Ivan Gonçalves Rodrigues nas redes sociais. Mas, é claro, mexeu com os brios da oposição e das entidades tradicionalistas, principalmente piquetes responsáveis pelas rondas nas noites de festa no Centro de Eventos Erni Alves.

Após a declaração de que o evento estava cancelado este ano, começou também a pressão que resultou em uma reunião na Secretaria de Cultura, Desporto e Turismo na tarde de ontem, quarta-feira, 20, pasta que abrigou além do vice Gilson Gomes,(foto) o prefeito próprio Vitor Ivan, o secretário de cultura Fladimir Gonsalves e patrões de alguns dos principais piquetes da cidade.

A ideia fixa era convencer o prefeito a voltar atrás e dividir as responsabilidades do evento, inclusive financeiras, posição, por exemplo, do vereador Marcial Guastucci, ligado ao Piquete Resto de 35, que se mostrou compreensivo aos motivos alegados pelo prefeito para não a festa, mas por outro lado que o mesmo não deve deixar de acontecer sendo estruturado também pelas entidades tradicionalistas.

Ao ouvir argumentos e contra argumentos coube ao vice-prefeito Gilson Gomes fazer uma avaliação à rádio Nativa sobre a mesma. Segundo Gomes, inicialmente será realizada uma avaliação da reunião a qual classificou como proveitosa dado a prefeitura ter tido a oportunidade de buscar esse tipo de diálogo com as entidades tradicionalistas podendo com isso mostrar a atual situação financeira do executivo, o que torna a realização da festa inviável.
“ Sozinho não dá pra fazer, mas diante do que foi discutido aqui nada impede que se sente novamente e se discuta, reavalie e se faça a festa em conjunto. Vamos discutir e responder na sexta-feira” disse Gomes.
Nael Rosa- redator responsável
Contato: 53-84586380

email:naelrosa@nativafmpiratini.com



Quadrilheiros agem e assaltam outra vez no interior

Piratini-21 de junho de 2017

Ao cair da noite para quem mora no interior, o medo nos últimos anos aumenta dada a grande quantidade de assaltos que tem ocorrido em Piratini.Com sete mil quilômetros de extensão e muito distante das autoridades policiais, as famílias da zona rural se tornam um alvo fácil para os bandidos.

Essa semana aconteceu outra vez. Na segunda-feira, 19, bandidos, não se sabe quantificar quantos, ao cair da noite invadiram uma residência no Rincão dos Horta, quinto distrito e fortemente armados usaram de violência com uma senhora de 82 seu com seu filho de idade também avançada que foi amarrado e deixado no banheiro.

Após isso os ladrões levaram um compressor de ar, uma motobomba  e o veículo da casa, um Saveiro.. Para evitar uma possível identificação por parte das autoridades os bandidos levaram todo o sistema de câmeras de vigilância a família mantinha já por ter sido alvo de violência no passado.

Segundo a inspetora Nancy Picanço, é evidente que os bandidos, no mínimo um deles, conheciam as redondezas dado ao terreno percorrido para chegar até a casa.
A polícia ainda não tem pistas da quadrilha.
Nael Rosa- redator responsável
Contato: 53-84586380

email:naelrosa@nativafmpiratini.com


terça-feira, 20 de junho de 2017

Universitária analisa e opina sobre cancelamento


 Piratini-20 de junho de 2017
A decisão do prefeito Vitor Ivan rapidamente causou um alvoroço nas redes sociais e, é claro, impossível saber quem discorda ou apoia mais o cancelamento da semana farroupilha numa terra que é considerada a pátria de bombachas. Sobraram críticas, mas também apoio afinal de contas o funcionário público é um dos mais atingidos com a falta de recursos vendo mês a mês seu salário atrasar e outros benefícios com função gratificada serem ignorados.

A Universitária em curso de licenciatura em história pela Unopar, Bruna Nunes Moura, 20 anos, foi um a das que soltou o verbo sobre o assunto. Segundo ela, analisando a atual situação de todas as áreas de departamentos públicos do país, é possível concluir que a crise está instalada e cada vez tendendo a aumentar, o que afeta diretamente os municípios, que por sua vez acabam por ficar a mercê de toda a falta de atenção dos poderes administrativos estaduais e federal.” Há cortes gigantes de verbas em áreas primordiais, onde não poderia haver como saúde, educação e segurança “ opina Bruna.

Na visão dela em Piratini sente-se sinais dessa crise desde o inicio do ano, sem deixar de salientar que muitas medidas de cortes e gastos já foram tomadas pelo atual prefeito, a partir do então poder público do município, concluiu que a Semana Farroupilha por contar com grandes estruturas e custos muito altos acabava por sempre deixar significativas dívidas para os cofres, portanto cancelar é uma medida um tanto quanto coerente, entende.

Um dos tópicos abordados pelo prefeito em sua entrevista tem a concordância de Bruna. Em suas palavras Vitor disse que o futuro do evento é ser terceirizado  como é hoje a Fenadoce que em seu  inicio teve a realização a prefeitura. “Deve ser uma festa sem envolvimento financeiro do setor público do município, basta que analisemos com coerência para chegar à conclusão de que Vitor sempre disse priorizar o pagamento em dia dos funcionários públicos bem como das empresas terceirizadas que prestam serviço a este município, esta é uma medida difícil, visto que muitos como já estão fazendo irão julgar por acabar com a festa mais famosa da capital farrapa” , acrescentou.


Apenas analisem o contexto em que o país se encontra e depois tirem suas conclusões, deve-se preferir uma festa terceirizada com qualidade semelhante a um município falido que não valoriza os funcionários e prioriza gastar grandes cifras em alguns dias com um evento. Pense nisso!!!! Vamos parar de pensar só no bem estar de alguns para priorizar a qualidade de nossos serviços prestados a toda população.

Nael Rosa- redator responsável
Contato: 53-84586380

email:naelrosa@nativafmpiratini.com