sexta-feira, 28 de abril de 2017

Lixo eletrônico será recolhido na Praça do Palanque

Sexta-feira- 28 de abril de 2017
Artigos eletrônicos como televisões e microondas serão recolhidos

Ela tem 14 polegadas, é do modelo movido a tubo, ou seja, para nada mais serve enquanto entreterimento para a família que há cinco anos quando a pequena parou de funcionar logo providenciou outra, maior, colorida, mas, também fabricada a partir de um tudo, ou seja quando chegar ao fim de sua vida útil, ou o destino será artigo de decoração ou o lixo.

Se for o lixo, aí começa o problema para Cleuza Nunes Piegas, 40 anos, não pra ela, mas para toda a população brasileira que não sabe onde descartar seu resíduo eletrônico.

- Por enquanto a deixo num cozinha, num canto, como parte da decoração, mas está queimada, para nada serve- avalia a dona de casa.

E para o lixo comum, junto ao doméstico, lá vão geladeiras, micro-ondas, impressoras, computadores e tudo mais. Mas Para Piratini um alento neste sentido.

No dia 05 de maio, na Praça Inácia Machado da Silveira, o popular palanque, a Prefeitura Municipal de Piratini através da Secretaria Municipal de Meio Ambiente em parceria com a empresa Natusomos, montará uma estrutura para recolher esse determinado tipo de lixo hoje armazenado em galpões, garagens, quintais ou até mesmo dentro de casa.

A coleta funcionará dás 08h às 17h e o proprietário do lixo indigesto terá apenas o trabalho de transporta-lo.

Maiores informações na secretaria, Avenida Gomes Jardim 104, ou pelo telefone: 3257- 3278.

Boa genética: Feira alcança 64% de comercialização

Sexta-feira- 28 de abril de 2017
Genética melhorou e bons preços foram alcançados

O Sicredi Região Centro, Sindicato Rural de Piratini e a empresa de remates Escritório Rural Fumaça realizaram na quinta-feira, 27, na Associação Rural a primeira das duas feiras anuais que buscam criar uma oportunidade para o produtor local vender seu produto a valores atrativos.

Com todo o cenário de incerteza relacionado à atividade no país, o evento alcançou bons números e chegou a 64% de comercialização, o que na visão de Breno Stefani, gerente da agência local, demonstra entre outras coisas uma melhora da genética.

- Embora tenha sido uma feira pequena o gado foi todo muito bom e a qualidade do produto foi essencial. O que foi de ponta foi comercializado, ou seja, o padrão apresentado na feira foi excepcional – avaliou Stefani.

Para ele nesses quatro anos em que promovem o evento o crescimento da genética tem aumentado significativamente, o que mostra o trabalho do produtor piratiniense neste sentido.

Com relação aos valores outro parâmetro positivo: média de machos com 197 quilos o valor alcançou R$ 4,78 o quilo. As fêmeas com 199 quilos de média ficaram com o valor em torno de R$ 4.20.


- Num momento de retração tivemos terneiros vendidos a R$ 5.50 o quilo, isso fez com que a feira fosse superior a do ano passado – conclui.

quinta-feira, 27 de abril de 2017

Caps aumenta serviços e contrata psiquiatra

Quinta-feira- 27 de abril de 2017
Doutora Natalia Zandonadi atenderá aos sábados
O Centro de Atenção Psicossocial, ou Caps Farroupilha, instituição sustentada pela Prefeitura de Piratini que acolhe, orienta e trata pacientes com transtornos mentais leves, médios e graves, fecha uma das principais, senão a principal ponta para que a rede de tratamento passe a ter uma eficácia ainda maior.

A partir dessa semana o Caps conta além da disponibilidade de dois psicólogos, clínicos gerais e de todo o restante da esquipe envolvida no acolhimento, também um atendimento psiquiátrico fornecido pela doutora Natália Zandonadi Teles, formada em medicina pela Universidade do Itajaí, Santa Catarina.

Essa decisão que veio através de uma ordem judicial da comarca local certamente vai elevar a qualidade do tratamento e também o diagnóstico de cerca de 300 pessoas em média que circulam pelo local em busca de soluções para seus males.

- A prefeitura ambicionava contratar este tipo de profissional há muito tempo, mas os valores oferecidos não são atrativos. Com a ordem judicial foi possível atrair um profissional por um valor mais elevado – explica Gerusa Porto, psicóloga e coordenadora do centro.

Quanto ao alto fluxo, ela informa que já há um planejamento para reduzir a demanda sem privar os frequentadores, por exemplo, das oficinas terapêuticas e, é claro de todo o resto.
- Vamos diluir a demanda os enviando para a atenção básica, ou seja, para os Postos de Estratégia de Saúde da Família como o do Cancelão e para isso já estamos começando a implantar algumas situações neste sentido.

Ainda sobre a importância de, a partir de este momento poder contar também com um profissional da área de psiquiatria, Gerusa frisa que já existe toda uma equipe formada, mas se faz muito necessário a contribuição técnica de um psiquiatra no manejo das medicações, na socialização e reabilitação, pois mesmo que haja um esforço dos clínicos gerais é necessário um diagnóstico para nortear as ações.

Para o secretario municipal de saúde de Piratini, Diego Espíndola, a conquista é grandiosa, pois, mesmo sendo responsabilidade do Estado o Caps Farroupilha agora contará com mais este profissional.


- Já temos uma equipe muito boa, eficiente, e com essa aquisição vamos qualificar e fechar a rede de atenção psicossocial do município. Os usuários do SUS não mais precisarão recorrer a outras cidades para obter este tipo de atendimento – celebra Espíndola.

quarta-feira, 26 de abril de 2017

última morada de Valmirzinho já o espera há 09 anos

Quarta-feira- 26 de abril de 2017
Tudo pronto: Pedreiro já construiu a última morada

Caminhar normalmente pela rua e de repente levar um tremendo susto ao dar de cara com alguém que você julgava já ter partido desta vida ou, ao circular pelas alas do Cemitério Municipal de Piratini e ficar chocado porque ainda ontem você havia encontrado a figura dona do rosto exposto na lápide e até conversou com ela.

Histórias assim garante o pedreiro aposentado Valmir Sandim, 66 anos, ocorrem com frequência em seu cotidiano.

O ditado: ”é melhor prevenir do que remediar”, neste caso, perde seu sentido quando um outro dito popular ilustra o tema: ”só não há remédio para a morte.

. Em tom de brincadeira, estes e outros ditos estão presentes na curiosidade agora já não tão incomum, mas antes vista como macabra, quando alguém decidia ainda em vida realizar pessoalmente todos os preparativos da última morada.

O plano funeral ele assegura, é baratinho mensalmente, e se por um acaso o coração parar amanhã, brinca: -se me acharem caído por aí, é só pegar o cartão que tá no bolso e ligar para o número da  funerária. Tá tudo pronto e pago-

A sepultura, a lápide e até mesmo a foto com a data de nascimento, já aguardam o morador que contou a reportagem que esta há muito era  uma grande vontade, realizada somente em 2001, por falta de recursos.

Justifica tanta precaução dizendo que a intenção é não dar trabalho aos filhos quando morrer já que moram na serra gaúcha, mas que ainda não sabem da atitude um tanto mórbida do pai, ficando para eles, apenas a incumbência de colocar a data da partida - A morte pra mim é igual ao nascimento, ou seja, quando nasci, já fiquei pronto pra morrer”, opina o pedreiro. 

A quimioterapia na busca da cura de um câncer na próstata diagnosticado em 2007, não tira o bom humor do aposentado que assegura ele não motivou tanta precaução.
- Faço o tratamento porque os médicos mandaram, mas, repito o que digo sempre a eles: Não sinto nada, portanto não tenho nada-

Ao recordar de alguns dos episódios relacionados à sua foto em uma lápide mesmo estando vivo, ele mostra mais uma vez que o bom humor influencia em seu ótimo estado de saúde ao contar que muita gente coloca flores em seu túmulo por achar que está morto.

- Outro dia encontrei uma amiga e depois do susto que levou ao me ver ela disse: Valmirzinho, que bom que eu te encontrei, pois outro dia rezei tanto por ti no teu túmulo. -Respondi pedindo para ela continuar rezando, pois assim eu ia  viver mais- , relembra entre gargalhadas ao reproduzir o fato-


Já um amigo cruzou comigo na rua e ao me ver, desconfiado seguiu em frente e novamente parou, me olhou outra vez e achando que estava vendo um fantasma, até que criar coragem para finalmente se aproximar e constatar que eu tô vivinho”, ilário, encerra.

sexta-feira, 21 de abril de 2017

Empresa deixa idoso no meio do caminho no Basílio

Sexta-feira- 21 de abril de 2017
Empresa não cumpre trajeto e deixa idoso distante 06 quilômetros do destino
Depois de um dia de muitos afazeres na zona urbana, situação normal de quem reside no interior e aproveita ao máximo a chamada vinda à cidade para por as contas em dia e fazer compras para abastecer a dispensa e outras, o seu Ery Paiva,58 anos, cheio de bagagem temia que ao retornar para casa, na localidade Basílio, ficasse ele e suas aquisições literalmente no meio da estrada. E como mostra a foto foi o que novamente aconteceu.
Ao chegar ao Assentamento Cachoeirinha, a ordem partiu do motorista: todos devem descer, aqui é o fim da linha. Bagagens de mão entre elas mochilas, sacolas e sacos foram postadas no meio da rua.
E assim fez o idoso, que passou a partir dali a enfrentar com sete bos seis quilômetros que faltavam até sua moradia.
Indignado com a o desrespeito que se repete, o filho, Jardel Paiva, 20 anos, que garante também já passou pela mesma situação, foi quem procurou a imprensa para relatar o que ele considera uma afronta ao  usuário.
- Meu pai reclamou, mas ouviu do motorista que o ônibus não iria até o final da linha e que se ele, meu pai quisesse, que ficasse então em Piratini – desabafa Jardel.
Ele entende que o desrespeito é total uma vez que o valor exigido pela empresa para fazer o trajeto, de segunda à sexta-feira, R$ 16,00, é pago integralmente nos caixas da rodoviária de onde o o carro parte às 16hs.
Pagamos o que exigem e nos deixam no meio do caminho para fazer o que resta a pé, sem nenhuma explicação, nenhum respeito.

Buscamos incessantemente contato com o responsável por explorar a linha para que ele dê sua versão dos fatos, mas não obtivemos resposta.

Nael Rosa- redator responsável
Contato: 53-84586380
email:naelrosa@nativafmpiratini.com